O que é um Cometa?

Os cometas são astros constituídos por gás, gelo e poeiras. Quando se aproximam do Sol, algum do gelo passa a vapor e esse vapor origina caudas brilhantes, por vezes visíveis a olho nu.
Antigamente, os cometas eram considerados acontecimentos aleatórios, sem regresso periódico e associados, em geral, a algum acontecimento catastrófico.
Neste Blogue iremos tratar mais pormenorizadamente do tão famoso Cometa Halley.

Estudo e Descoberta

O Cometa Halley, é um dos mais conhecidos e brilhantes cometas
O nome deste astro celeste deve-se ao seu descobridor, o ilustre astrónomo britânico Edmund Halley que, em 1705, calculou os elementos da sua órbita, reconheceu o seu carácter periódico e previu a data do seu regresso. Tais cálculos e previsões, tiveram por base a utilização das leis de Isaac Newton, de quem o astrónomo era colaborador e amigo. O cometa retornou realmente como Edmund tinha previsto e foi em 1910 nomeado em sua honra.


Edmund Halley

Caracteristicas

O seu núcleo elipsoidal e mede aproximadamente 15 km de comprimento, 8 km de largura e 8 km de altura.
Este é composto essencialmente por gelo, fragmentos rochosos e poeira.
A cauda do Cometa estende-se através de milhões de km pelo espaço.É formada por gases inofensivos. Tem dois tipos de cauda, uma rectilínea, composta por gás ionizado que é empurrado pelo vento solar, e outra curva, mais difusa, composta por poeira onde é reflectida a luz solar.



Apenas  4% da luz que este corpo recebe são reflectidos e, mesmo parecendo muito brilhante e branco, tal objecto é preto. A cor branca que vemos da Terra deve-se ao escapamento de vapor do núcleo do cometa. Este vapor é formado por 80% de água, 17% de Monóxido de Carbono, 3 a 4% de Dióxido de Carbono e vestígios de Hidrocarbonetos. Quando o cometa se aproxima do Sol, a temperatura do mesmo pode chegar a 77°C, quando são emitidas toneladas de gás por segundo.

Órbita


Órbita do Cometa Halley

Os elementos da sua órbita são, agora, bem conhecidos. O seu período orbital médio é, de facto, de 76 anos, mas pode variar entre 74,7 e 79,1 anos, pois a órbita do cometa sofre perturbações resultantes dos campos gravitacionais dos planetas de maior dimensão do sistema solar que, em movimento permanente, provocam mudanças contínuas na trajectória dos corpos que deles se aproximam. Efeitos não-gravitacionais tais como a reacção dos gases quentes durante a sua passagem perto do sol são relevantes na alteração da sua órbita. O seu periélio médio (ponto da órbita do corpo em que este se encontra mais próximo do Sol) é de 0,6 Unidades Astronómicas e o seu afélio médio (ponto da órbita do corpo em que este se encontra mais afastado do Sol) é de 35 Unidades Astronómicas
 Tem uma excentricidade de = 0.967. O sentido do seu movimento é retrógrado (sentido dos ponteiros do relógio), com uma inclinação orbital de 162,24o.


video



Passagens Visiveis da Terra

Nas suas observações, Edmund Halley comprovou que as características do cometa coincidiam com as descritas em 1531 por Pietrus Apianus e, em 1607, observadas, em Praga, por Johannes Kepler. Halley concluindo que correspondiam ao mesmo objecto celeste.
A mais antiga observação deste astro remonta ao ano de 240 a. C., o que perfaz 30 observações consecutivas.
A penúltima passagem deste Cometa, prevista por Crommelin para 17 de Abril de 1910, ocorrendo 3 dias depois, foi particularmente espectacular, por ser visível a olho nu antes do amanhecer, com uma cauda magnífica.

O cometa Halley fotografado no céu de Nova Iorque (1910)
 
A sua última passagem pelo periélio (ponto da órbita do corpo em que este se encontra mais próximo do Sol) ocorreu a 9 de Fevereiro de 1986 (conforme previsto). A distância mínima a que passou do Sol foi de 88 milhões de quilómetros, ou seja, 0,587 Unidades Astronómicas (UA - distância média da Terra ao Sol). O dia em que passou mais perto da Terra foi a 11 de Abril de 1986, a 63 milhões de quilómetros. Foi, por isso, mais visível entre 6 e 10 de Abril. Mas Halley nesta passagem ofereceu um espectáculo bem menor. Além da poluição luminosa, que prejudicou sua observação, a interacção dele com a radiação solar deixou-o menos brilhante e visível que o esperado.




Halley em 1986


A sua passagem mais próxima da Terra deverá ter ocorrido a 10 de Abril de 837, a 4,8 milhões de quilómetros.

Espera-se a sua próxima passagem para 28 de Julho de 2061 (pelo astrónomo Donald K. Yeomans).
Dentre os acontecimentos mais interessantes associados à passagem do cometa Halley, merecem destaque os seguintes:

- 12 a.C. - Alguns teólogos sugeriram que a passagem do cometa nesse ano poderá estar associada à chamada estrela de Belém, que aparece na Bíblia.

- 837 - Segundo alguns cientistas, foi nesta passagem que o cometa mais se aproximou da Terra (4 milhões de quilómetros).

- 1066 - A passagem do cometa foi considerada como desastrosa para os ingleses. No final desse ano, Haroldo II, último rei da monarquia anglo-saxónica, morreu na batalha de Hastings e a Inglaterra passou a ser dominada por Guilherme I, duque da Normandia.

- 1835 - O conhecido escritor americano Mark Twain nasceu duas semanas depois da passagem do cometa. Na sua biografia, ele afirmou que “veio” com o Halley, e que “iria” embora com ele em 1910, por ocasião de sua próxima passagem. E o escritor morreu, realmente, nesse mesmo ano, no dia em que o cometa se aproximou da Terra.

- 1910 – Nessa passagem foram tiradas as primeiras fotos do cometa. Como, na época, se dizia que ele traria consigo grande quantidade de um gás mortal da família dos cianetos, o pânico foi geral, embora os cientistas desmentissem veementemente essa versão.

Missões Espaciais ao Cometa Halley

Muitas missões espaciais com Naves e Sondas foram preparadas para estudar o Cometa Halley. De entre elas, a que melhores resultados conseguiu, foi a sonda Giotto da Agência Espacial Europeia – ESA, aproximou-se a menos de 500 km do núcleo do cometa proporcionando aos astrónomos a primeira visão da estrutura da superfície do cometa e obteve fotos bem de perto do núcleo do Halley.

Fotografia aproximada do nucleo do cometa Halley, tirada pela sonda Giotto

"Nascimento e Morte" do Cometa

Calcula-se que o núcleo do cometa seja da idade do Sistema Solar (cerca de 4,6 milhares de milhões de anos) e tenha sido formado por um processo de acreção (acumulação de matéria em redor de um astro por efeito da gravidade) no Sistema Solar ao mesmo tempo que este fenómeno ocorria também nos planetas mais longínquos. Durante uma volta completa, o cometa perde cerca de 100 mil milhões de quilogramas de gelo e poeiras.



Ainda não se sabe qual será o fim deste astro. Alguns com características idênticas têm colidido com o Sol, enquanto outros são ejectados para fora do Sistema Solar; outros ainda colidiram com a Terra.

Cometa Halley e Portugal 1910

Em 1910, a passagem do cometa Halley pelo planeta Terra foi visível também em Portugal. O misticismo existente na altura (os cometas eram vistos como símbolos de azar), a influência dos Estados Unidos, onde se pensava que o cometa traria na sua cauda gases tóxicos que matariam a população terrestre, e o aumento da influência republicana, fez com que a passagem do Cometa Halley fosse motivo de grande alarido. Os jornais diziam que este era o fim do mundo, os padres diziam que vinha aí o "julgamento final do senhor" (que segundo eles surgia por causa do aumento da influência República). Os ‘’vigaristas’’ enriqueciam com a venda de máscaras de gás, garrafas de oxigénio e até comprimidos milagrosos que protegeriam do cometa.



O cometa Halley não trouxe o fim do mundo mas acabou por ligar, em Portugal, esta passagem à revolução de 5 de Outubro e Implantação da República.
Como já foi dito a trás, esta passagem de 1910, foi uma das mais brilhantes e extraordinárias. Por passar tão próximo do Sol, o fenómeno foi mais intenso, a cauda era mais visível, sua iluminação, mais forte, e permaneceu no céu por mais tempo.
A sua cauda media o dobro da distância entre a Terra e o Sol, o seu núcleo tinha um diâmetro entre 30 e 40 quilómetros. Os cientistas começaram a observá-lo em setembro de 1909, mas só em Março do ano seguinte ele passou a ser visto a olho nu.


Cometa Halley em 1910


Curiosidades

- O núcleo de Halley é um dos objectos mais escuros do sistema solar.
- Descobriu-se também que no núcleo do cometa há crateras (algumas com 1 km de diâmetro) vazias e algumas cheias de gelo.

 

Cometa Halley: as cores acrescentadas com um processador de imagem

- Além de Halley, apenas outros dois cometas foram estudados por naves espaciais. O cometa Giacobini-Zinner foi estudado em 1985, a NASA passou pela sua cauda, e o cometa Grigg-Skjellerup em 10 de Julho de 1992.

  
Cometa Giacobini- Zinner
fotografado em Novembro de 1998




Bibliografia: